banner sertao em movimento

Marília é diferente de Raquel

 

 

Por Mariana Teles*
 
 
Após assistir ao debate, ontem, na Fiepe, entre Marília e Raquel, foi impossível não rememorar uma ideia que Antônio Damásio traz no livro “Em busca de Espinosa: prazer e dor na ciência dos sentimentos”.
 
Entre outras ideias, o autor aduz que os sentimentos ocorrem no teatro da mente. As emoções são ações ou movimentos, muitos deles públicos, que ocorrem no rosto, na voz, ou em comportamentos específicos e não duradouros.
 
 
O conceito parece se aplicar com o atual momento das eleições em Pernambuco. Marília é um sentimento de mudança que nasceu em 2018. Protagonizou, à época, uma das maiores violências políticas e partidárias e não pôde disputar o Governo do Estado.
 
O grito ficou entalado. O voto dos pernambucanos, também. Mantendo a coerência, já tinha votado em Armando Monteiro em 2014 e em 2018, ao ser rifada. Votou em Dani Portela, mas sempre alinhada com o projeto de oposição ao PSB no Estado.
 
No mesmo ano, sagrou-se deputada federal com quase duzentos mil votos. Ainda sobre as diferenças e semelhanças das duas candidatas, acompanhando o raciocínio da coluna de Magno Martins hoje, diferente de Raquel, sobre Marília não se vai encontrar nunca um gesto, uma foto, um apoio ou nada capaz de vinculá-la aos governos Paulo Câmara em Pernambuco.
 
Sua liderança se consolidou desde sempre por representar uma alternativa ao PSB, com viabilidade eleitoral e habilidade política genuína. Já Raquel, foi colega de Paulo enquanto secretária de Estado e seu pai governador interino (inclusive preterido na escolha da sucessão, já que seria o nome natural por ser vice-governador), durante a eleição de Paulo.
 
Graças ao governo tampão de João Lyra e mais um episódio de comoção no Estado, com a morte de Eduardo, Paulo foi eleito contrariando a história política de Pernambuco de eleger governadores oriundos da militância essencialmente política.
 
Não preciso me alongar muito para dizer que ainda nos primeiros meses do governo Paulo, o projeto de poder idealizado (e bem) por Eduardo começou a emitir sinais de desgaste. Um deles, a saída de Raquel e do seu grupo para disputar em faixa própria a Prefeitura de Caruaru.
 
Raquel ao sair do PSB deu uma verdadeira guinada à direita, acompanhando inclusive o PSB no voto em Aécio Neves em 2018. Raquel votou e ajudou a eleger Paulo Câmara. Marília manteve-se coerente e foi construindo atributos de lideranças que fatalmente não caem em questões de concurso público.
 
Em 2020, levou pela primeira vez em anos a disputa no Estado para o segundo turno. Também contra o PSB. Numa eleição duríssima, o PSB começou a dar sinais claros que tinha oposição, o que até então ninguém tinha conseguido fazer o partido entender.
 
Em 2022, Marília deixa o PT, articula uma chapa com mais dois deputados federais de longa história e se sagra vencedora do primeiro turno. Mesmo sem o apoio oficial de Lula, tempo de televisão, estrutura partidária e número de prefeitos.
 
No dia na votação do primeiro turno, Raquel Lyra que já despontava como a virtual adversária do segundo turno, perde fatidicamente seu esposo. Eis que aí surge a comoção da campanha.
 
E o duelo passa a ser de comoção x sentimento.
 
Raquel tem um currículo que, para quem quer pleitear concurso público, é invejável. Mas isso não faz dela mais qualificada ou menos qualificada para governar Pernambuco.
 
Diferenças à parte, os dois líderes mais recentes da história do Brasil jamais seriam aprovados num concurso público.
 
Lula, torneiro mecânico pelo SENAI de São Bernardo. Líder que mais permitiu a criação de universidades e concursos públicos no País.
 
Bolsonaro, atual presidente, capitão paraquedista do exército. Sobre sua capacidade cognitiva deixo que às urnas falem. A diferença entre Marília e Raquel não é apenas curricular ou de habilidades.
 
Marília incorpora um sentimento que não nasceu ontem. Uma liderança que não teve nada fácil na vida pública e uma coerência que não é vista em todo mundo.
 
Marília e Raquel deixaram o PSB e possuem raízes privilegiadas, sim. Mas a grande diferença é o que cada uma fez ao sair do partido.
 
Marília se tornou uma liderança respeitada no País inteiro. Vice-líder do seu então partido no Congresso, segunda-secretária da mesa diretora no seu primeiro mandato, aprovou a lei de Dignidade Menstrual numa mobilização sem precedentes. Soube unir e dialogar com os diferentes e nunca tirou a discussão por Pernambuco do debate.
 
Raquel se tornou prefeita conhecida pela redução da licença maternidade, demissão em massa dos professores da rede municipal e péssimo diálogo com os vereadores. A ponto de impedir ingresso de celular em reuniões, não nomear líder do governo e acumular embates próprios da política menor.
 
Se concurso público fosse requisito de liderança política e integridade, o ex-juiz federal Wilson Witzel não teria sido preso e afastado do governo do Estado do Rio de Janeiro.
 
O mesmo vale para o desempenho do também concursado Paulo Câmara no Governo do Estado. São muitos exemplos país a fora.
 
Liderança política ainda não virou macete de concurso, não se aprende em cursinho e é necessário um caminho de coerência para ter a aprovação que realmente interessa: a popular:
 
Pernambuco vai escolher entre as raízes do sentimento Marília ou a efemeridade da emoção Raquel. Eu já vi esse filme. Pernambuco também.
 
Comoção, currículo de concurso público e perfil técnico gerencial. O resultado foi a eleição de Paulo Câmara, governador com mais de 70% de rejeição e que termina o mandato deixando seu candidato na quarta colocação da disputa.
 
O filme não vai se repetir.
Compartilhe:

Deixe um comentário